Sínodos Vale do Itajaí e Norte Catarinense - 29 de abril de 2017
Abril 2016

NEWSLETTER
Cadastre-se e receba nossas novidades em seu e-mail.


Última hora

Bento XVI reconhece injustiças do período colonial

Cidade do Vaticano (Itália) - O presidente Hugo Chávez pediu ao papa Bento XVI, na semana passada, que pedisse desculpas aos povos indígenas por afirmar, em Aparecida do Norte, quando da visita que empreendeu ao Brasil, que a evangelização não foi uma "imposição" nem "uma alienação" das culturas pré-colombianas.

No dia 23 de maio, o primaz de Roma deu razão a Chávez ao dizer que "não se pode ignorar as sombras que acompanharam a colonização e a evangelização da América Latina, nem esquecer sofrimentos e injustiças infligidas pelo colonizador aos povos indígenas, cujos direitos humanos fundamentais foram pisoteados".

No discurso de abertura da V Conferência Geral do Episcopado da América Latina e Caribe (CELAM) o pontífice tinha assinalado que "o anúncio de Jesus e de seu Evangelho não supôs, em nenhum momento, uma alienação das culturas pré-colombianas, nem foi uma imposição de uma cultura estranha". O papa também expressou que a utopia de voltar a dar vida às religiões pré-colombianas "não seria um progresso, mas um retrocesso".

O presidente venezuelano dirigiu-se ao papa "com todo o respeito como católico, e como chefe de Estado, com a humildade de um camponês que é o que eu sou", que peça desculpas aos povos indígenas da América. "Creio que é o correto", acrescentou.

Chávez comparou o massacre da conquista com o holocausto. E foi além, disse que o primeiro teria sido inclusive "mais grave".

Na audiência geral semanal, em 23/5, o papa alemão reconheceu que a colonização da América e a evangelização de seus habitantes foram acompanhadas de "sofrimento" e "injustiça".

Revista Novolhar

Voltar
ÚLTIMA HORA

EDIÇÃO • Abr/2016

ASSINATURAS
Receba O Caminho em sua casa
Assinatura anual R$ 55,00
Assinatura de apoio R$ 65,00

Ligue: (47) 3337-1110

Entre em contato